segunda-feira, 6 de abril de 2015

Jacuri, Coluna, Frei, Semana Santa e outras relevâncias



Foto: Irléia Nunes 

Gostaria de registrar minha passagem por Jacuri, Coluna e Frei Lagronegro nesse feriado. Aproveitei os festejos da Semana Santa para prestigiar as atividades católicas/culturais de Jacuri, e fiquei muito feliz ao ver o comprometimento do pessoal com todos os preparativos das comemorações. 

O que mais me chamou atenção foram os enfeites da rua do cemitério. Confesso que não sei exatamente como a rua se chama, e até perguntei a alguns jacurienses da gema que também não souberam me dizer, então, se me permitem, vou chamar carinhosamente e respeitosamente aqui como aprendi desde criança: Parabéns aos moradores da Rua do Cemitério, que enfeitaram com arcos de bambu e pintaram a rua e o meio-fio para receber os cortejos da procissão do enterro, uma forte tradição jacuriense. Senti falta de alguns labardeiros* tradicionais, de algumas vozes ecoantes na oração do terço e da entrega das pessoas se propondo colocar vasos e colchas (de cama) nas janelas para a procissão de domingo de páscoa, mas acredito que aos poucos vamos conseguindo reacender nossas tradições e conscientizar as pessoas da importâncias da preservação da nossa cultura. Não podemos, como dizia uma amiga jacuriense que não está mais entre nós, "deixar o povo esmurecer." 

Aproveito também para registrar minha satisfação com uma visita à célebre terra do grande Carlos Herculano, Coluna, onde pude conhecer pessoas maravilhosas, com quem passei uma tarde inteira falando de projetos, de cultura, do povo, da região... só assuntos elevadores. Tinha ido me integrar ao grupo de incentivadores e doadores da criação de bibliotecas em comunidades rurais de Coluna, um projeto promovido pelo Carlos Herculano e pela educadora Rosimara Trindade. Também pude prestigiar meu amigo Marcelo Coelho num show na Cavalgada Feminina de Frei Lagronegro. Fui muito bem recebido depois de mais de 15 anos sem ir à antiga "Bom Sucesso". Em resumo, meu final de semana em Jacuri e região fortaleceu ainda mais minha participação ativa na busca não mais e apenas, por uma Jacuri melhor, mas por uma região melhor. De volta, na mala, saudade, banana verde, queijo, poeira e um pouco mais de esperança.

*Labardeiros são homens vestidos de soldados romanos e na procissão representam os soldados que conduziram e sacrificaram Jesus. Eles trazem lanças ornamentadas com papel crepon e faziam uma coreografia combinada com uma música fúnebre orquestrada. Geralmente as crianças de Jacuri têm medo desses personagens e cresceram os chamando de "capeta" uma alusão à figura horrível de quem teria sacrificado Jesus. 

Nenhum comentário: