sábado, 27 de agosto de 2011

Mas o que é o piscinão de Ramos?

Alguns dizem que ele foi criado para que as pessoas do subúrbio da região da Leopoldina e da Baixada não precisassem ir para as praias da zona sul. Talvez uma tentativa de limpar as praias de gente, como se dizia lá pelos lados de Higienópolis, "diferenciada". Se funcionou não sei, mas o fato é que quem freqüenta o piscinão não parece sentir falta de Copacabana.

E para quem não conhece (e precisa conhecer), o Piscinão de Ramos ou "Parque Ambiental da Praia de Ramos", como é chamado oficialmente pela prefeitura, é uma praia artificial, uma espécie de piscina pública de água salgada, com 26.414 metros quadrados, revestidos com uma camada de polietileno e com capacidade para 30 milhões de litros de água. O piscinão já chegou a receber 60.000 pessoas em um único fim de semana, segundo o Jornal O Dia.

Eu ia muito ao piscinão e acreditem, entrava na água sim. E estou vivo. Isso talvez prove que a água não é lá tão contaminada. Segundo órgãos da prefeitura, o piscinão está dentro dos níveis de "impurezas", se é que vocês me entendem, toleráveis em sem tratando de mar ou rio, mas muito abaixo do permitido para piscinas. Acho que o piscinão não é uma coisa e nem outra. Meu grande amigo Dicró, desde a época do Bingo Cidade e tardes de autógrafos na Carioca, é o maior frequentador de Ramos e até tem um bar famoso na orla da praia. Já tomei muita cerveja com churrasquinho por lá.

Relacionei umas fotos que recebi de um amigo, feitas num domingo no Piscinão. Descobri que antes do Piscinão ser Piscinão, mas ainda quando era a praia de Ramos, a movimentação nem era tão diferente do que é hoje e inclusive, para nossa alegria, o cineasta Ivan Cardoso filmou nas areias de Ramos em 1981.

E para quem não conhece o "Parque Ambiental da Praia de Ramos", fica a dica. Não se assustem com as fotos e imagens. O que posso dizer é que é um lugar de pessoas espirituosas, trabalhadoras, felizes, que fazem de Ramos, sua Barra da Tijuca. Tem vendedores ambulantes de churrasquinho e isopor de cerveja ao longo de toda a orla, além de roda de samba e quiosques com peixinho frito na hora. Fica a dica.


Ramos em 1981 - Ivan Cardoso


Ramos hoje - Ramiro Lotufo




Nenhum comentário: