sexta-feira, 5 de junho de 2009

ARTES PLÁSTICAS - 1ª Mostra de Arte da APAC


Estive no RECICLO na festa de lançamento da 1ª Mostra de Arte da APAC (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado) para cobrir o evento. Durante o mês de junho e de julho, o espaço receberá peças que são produzidas pelos detentos da instituição.

O projeto é maravilhoso. Proporciona aos presos oportunidade de trabalhar suas aptidões artísticas ao mesmo tempo que significa uma oportunidade de refazer suas vidas, reescrever suas histórias.


Os trabalhos produzidos pelo pessoal da APAC é maravilhoso. Não sou nenhum crítico de arte mas acho que são peças dignas de estrelar qualquer exposição mundo à fora.

O espaço (RECICLO) da mostra não poderia ter sido melhor escolhido. O RECICLO que sempre foi a casa dos artistas da ASMARE (Associação dos catadores de papel, papelão e material reciclado) dá uma aula de cidadania e deixa claro que não precisamos de politicagem para trabalhar em prol de uma sociedade mais justa. A boa vontade das pessoas faz a diferença num país que disfarça preconceitos e fecha os olhos para uma das maiores disparidades sociais do mundo.

Eu acredito que a educação é a única forma de fazer do Brasil um país mais digno. Acredito que é o sistema quem cria essa degradação humana que, por mais que queiramos, não dá fingir que não existe e colocar a culpa nos próprios condenados (pela condição de vida e pelo sistema) não resolve o problema.


Fico imensamente decepcionado quando ouço, como ouvir de um grande amigo outro dia, que as pessoas escolhem ser assim ou assado. Posso parecer radical mas não entendo como pessoas ditas instruídas podem ser tão práticas, tão hipócritas, quando estamos tratando de vidas. Tenho estudado muito sobre o sistema prisional nos últimos meses para um trabalho de pesquisa que venho desenvolvendo e afirmo com toda certeza do mundo que aquelas pessoas que estão reclusas, não escolheram viver o inferno que são as cadeias públicas. São vítimas, como nós somos dos seus atos delinquantes, do governo, da hipocrisia, da sociedade. Não é à toa que a maioria dos condenados são pobres, negros, não concluiram sequer o ensino fundamental e não tiveram um modelo de família minimamente estruturado. Muitos nem chegaram a conhecer nem o pai.

Acho que os estudos de antropologia, sociologia, filosofia, entre outros, deveriam ser melhores aplicados no ensino médio. Possibilitaria que tivéssemos universitários com uma visão mais crítica e menos preconceituosa sobre diversos assuntos.

Mas voltando ao evento, assisti à apresentação do Coral RENOVAÇÂO, formado pelos egressos, que cantaram sua liberdade em letras que falavam de Deus, fé, esperança e muita alegria de viver. Durante a apresentação, os olhos da platéia formada por visitantes e parentes dos egressos, interpretavam cada gesto, cada nota bem ou mal entoada, como um grito de liberdade.


Não poderia deixar de citar aqui o nome dos apoiadores que por acreditarem no projeto (e mesmo que fosse só ter o investimento devolvido na dedução do imposto de renda, não importa, é fato que ajudaram) merecem ter seus nomes citados. O evento contou com o apoio da ARBÓREA (Associação Brasileira de Gastronomia e Cultura) que juntamente com a Construtora Mendes Junior, ficaram por conta do buffet e recepção, do artista plástico Léo Piló, que ficou por conta da organização da exposição, do Instituto IDH e da S BRASIL Canal de Comercialização.

A exposição pode ser conferida durante os meses de junho e julho, no RECICLO 2, rua da Bahia, 2164, bairro Funcionários, em Belo Horizonte. Para maiores informações, basta entrar em contato através do telefone (31) 2535-0717.

Vale a pena conferir!

As fotos postadas são do meu amigo Marcos Oliveira (gentilmente cedidas).

2 comentários:

Liv Milla disse...

APLAUSOS DE PÉ!

Também sou da teoria que um país só se faz digno e justo com educação...
Não suporto hipocrisia e pessoas que se dizem inteligentes, mas não são capazes de abrir mão do próprio egoísmo para fazer alguma coisa pelo outro. Pessoas que se dizem "engajadas", mas não são capazes de fechar uma torneira sem que deixe água pingando... Isso me irrita, pq a maioria das pessoas enchem a boca para dar lição de moral, mas na hora da prática, não fazem metade do que dizem!

As pessoas não são o que escolhem ser! Muitas vezes são consequencias daquilo que a sociedade, sempre egoísta e injusta, impôs à elas!

Parabéns pelo trabalho!!!
E eu gostaria de assistir essa exposição, se estivesse aí... É sempre muito gratificante ver que a arte pode sim transformar a vida de uma pessoa, para melhor!

Saudade! Bjos!

Liv Milla disse...

Ah! Sim...
Os estudos de antropologia, sociologia, filosofia e etc deveriam ser melhor aplicados também no ensino fundamental e básico. Afinal, é muito mais fácil criar um ser humano educado e livre de preconceito, do que mudar a cabeça um adolescente que foi educado pelos pais (ou familiares) a ser preconceituoso, hipócrita e etc... :)