segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Quem sou eu?



Por muito tempo não soube responder a essa pergunta.
Por muito tempo fui quem quiseram que eu fosse e achava que esse era eu.
Quanta ingenuidade!
Hoje não mais.

Anônimo, conhecido, ignorado, querido, amado...
Acredito nas pessoas, enquanto posso.
De longe, mais um, qualquer talvez;
De perto, legal, bacana, por vezes mal interpretado.
De dentro, meu melhor.

Sonhador.
Um poeta cético que acredita na simplicidade.
É nela que meus olhos alcançam a beleza.
Agora sou bom, não mais bobo.
Gosto de poesia porque essa me fala à alma.
Gosto de música por que essa me acalanta o espírito.
Gosto de caminhar por que assim, me liberto das tensões do dia-a-dia.
Gosto de mato por que às vezes me canso de gente.
Gosto de ficar sozinho por que às vezes preciso um pouco da minha própria companhia (a pior solidão é aquela que se sente quando se está rodeado de pessoas).
Há quem experimente diariamente minha doçura, por me permitir sê-lo doce.
Não como batata barôa, mas como jiló.
O cinema me faz sonhar e me trás o mundo.

Escrevo porque minha vida é muito boa para passar em branco.
Amo meus amigos e divido com eles parte dos meus sonhos (são muitos e não dou conta de sonhá-los sozinho).
Minha família é meu chão, meu porto seguro. São os braços que me acolherão, caso o mundo me vire as costas.

Gosto de sol, praia, mas também de chuva, lareira e vinho.
Detesto ingratidão.
Detesto memória curta.
Admiro pessoas inteligentes, desde que não sejam arrogantes.
Sou habilitado para amar, fazer feliz.
Também tenho licença para ser bom amigo, o dito companheiro de todas as horas.
Não sou só isso, nem tudo aquilo, nem assim, nem assado, mas permito conhecer-me.
Sou o que, na intensidade da vida maravilhosa que tenho, ela me permite ser. E quando ela não mais permitir, serei minha essência,
sim, por que essa,
minha essência,
ninguém me tirará,
mesmo que me tirem a vida.

4 comentários:

Guilherme Côrtes disse...

já disseram isso por aí: '' a essência é o perfume da alma ''.

eu fico meio que the face com essa sua facilidade de se abrir. Mas então, quando a gente consegue deixar a alma ser o corpo... sabe? será que tem gente que consegue?

abraço.

Nelio Souto disse...

"...a alma ser o corpo...". Complexo isso. Eu queria separar bem os dois pra depois juntar, e separar novamente e depois juntar...e depois separar...ter domínio sobre eles. Eu acho que há quem consiga sim. Obrigado pela visita e volte sempre.

Liv Milla disse...

Já te disse que adoro esse "poema" (?), né?!

Mas vc nunca me disse se é seu...

Nelio Souto disse...

É meu sim. Esse sou eu. Simples e composto. Beijo grande. Obrigado pela visita e volte sempre.